Geral

Superlua nesta terça-feira para antecipar comemoração do Dia Mundial da Astronomia

Data é comemorada no dia 8 de abril

Nesta terça-feira, 7 de abril, poderemos observar a superlua, fenômeno que ocorre quando o satélite natural atinge a posição mais próxima da Terra e chamado de perigeu. O instante da maior proximidade entre a Terra e Lua será às 15h10min, mas o fenômeno da superlua pode ser observado também à noite, quando também teremos a lua cheia. Para quem gosta de observar o céu, esses fenômenos são uma boa maneira de antecipar a comemoração do Dia Mundial da Astronomia, celebrado na quarta-feira, dia 8 de abril.

De acordo com a professora Sônia Gonzatti, no perigeu a visão da área lunar pode aumentar até 30%, porém, pela visão planificada do disco lunar, é possível ver o diâmetro da Lua apenas em torno de 14% maior. “A órbita da Lua em torno do Sol dura em média 29,5 dias, por isso a divisão do calendário ocorre em meses com cerca de 30 dias. Como a órbita da Lua em torno do Sol não é um círculo perfeito, teremos momentos do ciclo lunar em que ela está mais perto da Terra. Quando coincide de a Lua estar no perigeu durante a lua cheia, acontece o fenômeno popularmente conhecido como superlua, que poderá ser observado no seu ápice hoje”, explica.

A professora sugere que a Lua seja observada nas suas diferentes fases. Na fase minguante, quando a área da Lua iluminada pelo Sol está diminuindo a cada instante, a Lua nasce a partir da meia-noite e se põe próximo ao meio-dia. Já a fase crescente corresponde aos dias em que a área da Lua iluminada pelo Sol está aumentando a cada dia; nessa fase, a Lua nasce por volta do meio-dia e se põe à meia-noite. O quarto crescente ocorre exatamente quando um observador na Terra vê um quarto do disco lunar iluminado. “Quando falamos em quarto minguante ou quarto crescente não podemos esquecer que sempre há meia esfera lunar sendo iluminada pelo Sol. Porém, devido à posição relativa entre Sol, Terra e Lua (em que a Terra está alinhada com o Sol e com a Lua, e esta e o Sol estão numa diagonal entre si), um observador situado na Terra verá apenas um quarto do disco lunar iluminado”, esclarece.

Por volta do dia 20 de abril deve ocorrer o apogeu, momento em que a Lua estará no ponto mais afastado da Terra.

Para ver em casa

Na Univates, fenômenos como a superlua podem ser vistos com telescópios no Observatório de Astronomia, localizado no Prédio 12. Porém, em tempo de isolamento social, os fenômenos podem ser visualizados em casa com a ajuda de aplicativos como Sky Map, Starwalk ou Stellarium. Segundo a professora Sônia, eles permitem visualizar alguns astros e constelações de forma que é possível fazer um reconhecimento de alguns astros no céu.

Constelações

Entre a constelação de Touro e a de Gêmeos há a constelação de Órion, conhecida pelo seu cinturão formado pelas Três Marias, que é uma visão típica do céu de verão no Hemisfério Sul. Por isso, agora com o céu de outono, deixamos de ver Órion e passamos a ver a constelação de Escorpião à noite. No mês de abril, essas constelações estão a oeste, se pondo logo no início da noite.

Planetas visíveis

Em abril, ainda é possível ver Vênus na direção oeste, onde o Sol se põe. O planeta é o astro mais brilhante se olharmos para o céu na direção noroeste.

Marte, Saturno e Júpiter estão nascendo em torno da 1h, na direção leste, onde ficam visíveis. Em torno das 5h, esses planetas estão altos no céu e irão se pôr, no oeste, depois que o Sol nascer. “Praticamente durante todo o mês de abril esses três planetas serão visíveis já bem altos no céu no amanhecer, a partir das 5h. Esses planetas seguem no céu até em torno das 13h, quando se põem no horizonte oeste, mas o espetáculo de observação encerra quando o dia amanhece”, relata Sônia.

Vênus

No início do mês de abril (dias 2, 3 e 4,), na direção do poente, o planeta Vênus esteve em trânsito, isto é, passando exatamente na frente do Aglomerado das Plêiades, ou Sete Irmãs. Esse aglomerado fica abaixo de Aldebaran, a estrela mais brilhante da constelação de Touro, no entardecer. O site apod.Nasa.gov tem algumas interessantes sobre esse fenômeno.

Sobre Vênus, Sônia destaca que ele é mais conhecido como estrela d’alva, porque nasce no alvorecer em certas épocas. Apesar da referência à estrela, trata-se de um planeta. “Uma forma simples de diferenciar um planeta de uma estrela é observar por alguns dias. É visível a movimentação de planetas entre as estrelas, porque os planetas estão muito mais próximos da Terra (alguns milhões de quilômetros), enquanto as estrelas (exceto o Sol) estão muito mais afastadas (com distância de mais de 10 trilhões de quilômetros). Dez trilhões de quilômetros é o valor aproximado de um ano-luz, a distância que a luz percorre em um ano. Por isso, para objetos distantes, como estrelas, aglomerados ou galáxias, o uso dessa unidade é muito comum”, finaliza.

Crédito foto: Caco Marin

 

Jornal Noitiserra Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
×
Jornal Noitiserra Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
Latest Posts